quinta-feira, 17 de outubro de 2013

INSUSTENTÁVEL

(foto: José Cruz/ABr)

Capitalizam a recusa à política e aos políticos, rentabilizam o silêncio complacente com a rejeição raivosa às cotas raciais e ao bolsa-família, investem no preconceito de classe a Lula, no crescente antipetismo e na redução do Estado a mero palco do teatro gerencial.  Com tucanos e aliados assumindo sem pudor a truculência liberal-oligárquica; com partidos e movimentos de esquerda apontando a traição de governistas às causas de outrora, sobe a apo$ta na “sustentabilidade” como projeto de país. Conceito tão pau pra toda obra quanto o de “globalização”, a “sustentabilidade” encanta plateias de fino trato e outras menos brilhantes –  ambas dóceis aos gênios da raça que dizem que o país deve ser administrado como uma empresa.  Agora as redes financeiras e midiáticas expõem-se deslavadas. Regozijam-se ao ouvirem suas teses nos juramentos de novos aliados, favoráveis como nunca ao saldo positivo nas contas públicas, ao dólar flutuante e às metas mais arrojadas de redução da inflação.  É o tal tripé, que serve de apoio aos vícios privados de poucos e desgraça vidas e sonhos de muitos. Neste cambaleante ciclo sobre três pernas, lamenta-se a ausência da destra dianteira. Ela daria forma adequada aos que rejeitam a trágica experiência internacional no quesito desemprego. Este mesmo que assolou o mundo nos anos 30 e tem destroçado economias e sociedades de 2008 para cá, por conta da retração deliberada dos investimentos estatais e da redução dos gastos públicos correntes. Mancas ou não, sobram as bestas sadias e os cadáveres que elas criam.

Com a razão o Gracia do Salgueiro. Céértíííssimo!!!!

Nenhum comentário: