sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Marcelo e Márcio; Baden e Caio


A grande imprensa festeja a substituição de Márcio Pochmann (UNICAMP) por Marcelo Neri (FGV-RJ) na direção do IPEA  (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), órgão governamental vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos. Afirmando que foi substituído um “político” por um “técnico”, os jornalões escoram sua preferência numa  oposição artificial. Mais por negação da matriz Keynesiana e marxista do Instituto de Economia da UNICAMP, esposada por Márcio, do que por afirmação da ortodoxia da FGV-RJ, a imprensa ora  se refere a uma suposta ‘caça às bruxas' ideológica que teria sido promovida pelo ex-presidente do IPEA na organização, ora alardeia, como prova de que lá estaria um “político” e não um “técnico”, sua candidatura para a Prefeitura de Campinas. No meio desse baralho, com cartas menos marcadas do que a opção midiática,  focaliza-se a simpatia da presidente Dilma com o trabalho NOVA CLASSE MÉDIA,  no qual Marcelo Neri aponta a centralidade de políticas como o Bolsa-Família na melhora da distribuição de renda ocorrida nos últimos anos. Inegável, esta abordagem  deixa de lado a discussão sobre a distribuição funcional da renda; isto é, a parcela do produto nacional alocada às rendas, lucros e salários. Nessa perspectiva, o governo do PT nada avançou até o momento. Dentre outros aspectos,  esse assunto é tratado no recente, mas pouco falado, livro de Márcio Pochmann – NOVA CLASSE MÉDIA??? Silenciando sobre esse outro entendimento, preferindo expurgar a interrogação, a imprensa e o jornalismo econômico trilham o seu caminho.
---
Mudando de papo, vejam aí em cima que o ensaio  teve tudo para sair melhor do que o 'show'. O clima na execução da bela TEMPO DE AMOR (Baden e Vinícius), interpretada por Márcia, com o divinamente endiabrado Baden Powell ao violão, é para deixar qualquer mau humor de lado. Vejam também que Alfredo Bessa, cuíca, tem tudo para ser irmão de sangue do nosso talentoso compositor Caio Prado. Ou será o Caio Prado de cuíca  em vez de cavaquinho, e não o Alfredo Bessa?????

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Blues de Terreiro, craque Sócrates, Rubem Fonseca e que a arbitragem e a mídia flagambambi sejam "aterrorizadas".

BLUES DE TERREIRO
Dando continuidade ao Projeto CUTURAL "VAI, QUIDÁ!", ouçam este excelente BLUES DE TERREIRO. Som na caixa préishtta brasa, merrrrrmão. Ramu lá, meu cumpadi!!!! Eiiiiiitta, Jdeimishshshs!!!!!!!

SÓCRATES
Tem uns caras aí que sabem de tudo e afirmam que a seleção brasileira de 1982 não era de nada. Esses sabichões dizem também que o craque Sócrates não jogava porra nenhuma. Gozado que nas acusações que fazem contra o doutor eu veja somente virtudes. Mas entre o conhecimento desses chatos e a minha ignorância, fico com esta. Sim, meus caros, sou Palestra fanático, mas não vejo problema algum em ter o craque Sócrates como um dos meus ídolos, assim como o Jorge Mendonça, o Marinho do Bangu e tantos outros. Vi esse povo jogar e não há babaquice que me impeça de admirar mais e mais o doutor e tais ou quais eu quiser. Vejam que beleza de programa com o brasileiro.

Sim, o grande palmeirense Chico Anísio também não gostava do Sócrates. Mas Chico Anísio pode. Além de palmeirense, é gênio da raça.

RUBEM FONSECA
Não dá entrevistas, não aparece, fica “na dele”. Para mim, o importante é que é autor de textos dos quais gosto muito. Considerado pelos entendidos um bom escritor, eis que, nesses tempos de ‘internet’, até o reservado José Rubem Fonseca acaba flagrado.


“ATERRORIZEM” A ARBITRAGEM E A MÍDIA FLAGAMBAMBI, RAPAZIADA!!!
Realmente, a desfaçatez da mídia e da arbitragem em relação ao Palmeiras é tão grande que até os não palmeirenses – os chatos, inclusive – estão percebendo a parada. O Palmeiras é o time que vem sendo mais prejudicado pela arbitragem há anos. Contra o Palmeiras não só acontecem os erros “normais” – inversão de faltas e critérios – , mas também os escândalos sem fim. Quem não se lembra daquele gol do Obina (2009), anulado pelo Simon? Quem saiu o culpado da história? Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo, presidente do Palmeiras. Terminaram dizendo que os erros da arbitragem acontecem e são aleatórios; que a reclamação do Palmeiras é coisa de palmeirense. Para não irmos tão longe(?!?!?) assim, o que me dizem da anulação do gol de Barcos contra o Botafogo, na semana passada? Veja, na foto a seguir, que não há como o bandeira marcar impedimento, mas ele  assinalou.
foto vista no e extraída do www.verdazzo.com.br
Fora um ou outro que ficou envergonhado de negar os fatos, terminaram dizendo novamente que os erros da arbitragem acontecem e são aleatórios; que a reclamação do Palmeiras é coisa de palmeirense. Pois bem, na nossa mais recente vitória de 1 a 0 contra o Flamengo – um dos três queridinhos da grande mídia FLAGAMBAMBI – o “El Pirata” palestrino fez o gol em posição DUVIDOSA. Vejam, abaixo, que é praticamente impossível o auxiliar conseguir saber se Barcos está ou não à frente da linha fatal. O lance seguiu e o artilheiro guardou a pelota no barbante da urubuzada.
foto vista no e extraída do www.verdazzo.com.br

A Rede Globo, madame da grande mídia, fez o “tira-teima” e chegou à conclusão de que o gol teria sido “ilegal”. Mostrou infinitas vezes o “tira-teima”. Com este material, um dos veículos do funesto Grupo Midiático acabou publicando esta calhorda “””notícia”””” (foto).
foto vista no e extraída do http://forzapalestra.blogspot.com.br
Não vou dizer que, na dúvida, a interpretação da regra recomenda o prosseguimento da jogada. Também não vou dizer, como o fez de maneira sempre brilhante o www.verdazzo.com.br, que o Palmeiras estava jogando em sua “casa” e que a arbitragem deve respeitar o Palmeiras. Arbitragem e grande mídia devem, na verdade, temer o Palmeiras. Se nossos incompetentes dirigentes não são capazes de construir este sentimento, que a torcida faça a sua parte. Sem machucar pessoas, é claro, mas por que não fazer um “terrorzinho básico”? Amigos, um palavrão bem lascado vale muito mais do que uma porrada merecida!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

“ROCK DE TERREIRO” e TREMORES NAS MÃOS


Escuto até hoje algumas coisas do AC DC. A "brasa" que está no “radinho” aí em cima, “pesada e bem pra trás”, é das que mais gosto: “Rock And Roll Ain't Noise Pollution”. Pelo estilo, BRINCO dizendo que este é um “rock de terreiro”.  E para não sair do “show business”, reproduzo a seguir a excelente mistura de Haroldo Barbosa e Janet de Almeida com "Essa moça tá diferente", que o próprio Chico Buarque fez para a televisão francesa em 1990. A execução ao vivo, próxima aos Arcos da Lapa, é pra lá de inspirada.  Escutar AC DC e Chico Buarque é obsessão adolescente que ainda perdura em mim, mas sou sincero:  necessito ir urgente ao psicanalista.......Ops, ao dentista.
.
Eu sei...Na idade em que estou.....
Pensando bem, talvez seja o caso de mais umas doses.