quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Contando com o ‘silêncio sorridente' de seus eleitores e ignorante sobre o que acontece no cimento da arquibancada, o ‘bom moço’ da foto veta de vez a liberação das bandeiras em estádios.

A possibilidade de sanção do projeto de lei que garantia a volta das bandeiras teve grande repercussão, predominantemente favorável. O noticiário sobre o veto de Alckmin, porém, foi discreto, quase inexistente. Aos encruados, como o governador, os mastros!
fasdfadfadfadfadfa
Leiam a respeito do assunto o excelente TERRA PROIBIDA, de  Flávio Gomes.

"Ontem (12/10/2011) o governador de SP, Geraldo Alckmin, vetou o projeto de lei que liberava a volta das bandeiras aos estádios de futebol.
Em 1995, elas foram proibidas. Aconteceu uma briga monumental num jogo de juniores entre Palmeiras e São Paulo no Pacaembu e um rapaz foi morto a pauladas.
Não foi um mastro de bandeira que matou o rapaz. O estádio estava em obras e os irresponsáveis do governo de SP (que cuida da PM) e da Prefeitura (dona do Pacaembu) não se tocaram que aquilo era um arsenal gratuito à disposição de duas torcidas rivais e violentas. Em jogo sem cobrança de ingresso entre esses dois times, colocar suas organizadas dentro de um estádio cheio de entulho e material de construção deveria levar todas as autoridades à cadeia.
Mas o que foi feito? Proibiram as bandeiras. Faz 16 anos.
Quem tem hoje menos de 20 nunca frequentou um estádio em SP com bandeiras. Os estádios de SP são de uma tristeza atroz. Tudo é proibido. É proibido pintar o rosto. É proibido levar cornetas e rádios de pilha. Instrumentos de sopro, das velhas bandinhas, não entram. O prefeito acabou com as barraquinhas com sanduíches de pernil. Cerveja não pode, também.
Aliás, ontem eu fiz uma listinha de coisas que os sucessivos governos estadual e municipal andaram impondo em SP nos últimos tempos.
Não pode fumar em bar. Há uma perseguição às barracas de pastel nas feiras. Radares controlam nossas vidas: não fez a inspeção veicular? O radar te fotografa. Pegou um congestionamento e ficou preso no trânsito no horário do seu rodízio? O radar te fotografa. Às 11h a maioria dos botecos fecha suas cozinhas, porque à 1h reina o silêncio e o estado de sítio. Luminosos de néon desapareceram. Não pode usar celular dentro de banco. Não pode usar sacola plástica em supermercado. Não pode isso, não pode aquilo. Já não sei mais o que pode e o que não pode.
Mas fiquemos nos estádios e nas bandeiras.
Frequento estádios há 40 anos. Nos últimos 20, para arredondar, as torcidas uniformizadas viraram gangues. Marcam brigas pela internet, se pegam nas estações de metrô e nos terminais de ônibus. Nunca ninguém morreu atingido por um bambu ou por um cano de PVC dentro de um estádio. Mas as bandeiras se transformaram nas grandes vilãs. Proibimo-las, e a paz reinará no futebol.
Não há briga dentro de estádio. Quem já sentou a bunda numa arquibancada sabe disso. As brigas acontecem fora, e são anunciadas, agendadas com dia, hora e local. Mas as autoridades de segurança, incompetentes e preguiçosas, se abstêm de evitar que ocorram. Não prendem ninguém, morrem de medo. Proíbem as bandeiras, é mais fácil. Há 16 anos não temos mortes causadas por bandeiras, é capaz de dizer um desses. O governador Alckmin, talvez.
Meus filhos, que frequentam estádios, nunca viram bandeiras em SP. Quando assistem a jogos de outros Estados e países pela TV, acham tudo lindo. Ficaram felizes da vida quando eu disse que um projeto para liberar as bandeiras tinha passado na Assembleia. Perguntam todo dia quando vão poder levar bandeiras ao Canindé. Faltava só o governador sancionar a lei. E o cara veta o projeto por questões de segurança. Não tem a mais remota ideia do que está falando e fazendo, mas fala e faz. Tira a cor e a alegria dos estádios, e que se foda. Não discute a questão, não ouve ninguém, não tem o menor contato com a realidade. Incapaz de prover segurança à população, joga nas bandeiras a responsabilidade por sua incapacidade. Não há, repito, problema algum dentro de estádio de futebol. Faz tempo. Hoje as torcidas são separadas, há limite de ingressos para visitantes, as merdas todas acontecem bem longe e nada têm a ver com o futebol em si, com os jogos, com os eventos. De novo: são gangues conhecidas e identificadas, é só ir atrás, prender, processar, julgar.
Mas isso dá um trabalho… Então, proíbem as bandeiras.
Essa gente, como disse um amigo, está precisando de um banho de povo."


Nota: Chegamos ao texto acima a partir do blog de Fernando Szegeri, indicado por Douglas Germano.

2 comentários:

Douglas Germano disse...

Medu exercício, embora viva aqui, é ficar me lembrando de que São Paulo e seus modos não traça o perfil do Brasil que quer apagar. E Olha que estes tucanos da camisa azul já estão completando 20 anos no poder por aqui. Além de gerir para uma minoria que realmente precisa de banho de povo, só conseguem é virar chacota para o resto do país.
E pensar que há dias, o Picolé de Chuchú aí, estava lá em itaquera para o anúncio do itaquerão para a copa. Devia estar sofrendo demais naquele dia o engomadinho.

Pagode disse...

Ódio eterno ao futebol moderno!!!

Bons tempos quando a gente ia ao Morumbi - sim! houve um tempo em que era bom ir ao Morumbi, na arquibancada, claro! - e não havia divisão alguma por grades e nem cota de ingressos, só as velhas cordas da PM que a própria torcida carregava "invadindo" o espaço adversário.

Mesmo no Pacaembu não havia divisão. Da arquibancada verde até o portão 21 era tudo arquibancada. Vai na laranja hj pra vc ver o marasmo.

E havia bandeiras, muitas bandeiras. Nada de bandeirão. Né por nada não... Bandeirão é lindo, mas não gosto de ficar embaixo do bandeirão com o jogo em andamento.