quinta-feira, 18 de novembro de 2010

PELO SALÃO

Fica o eterno agradecimento aos autores pelo belo trabalho e meus aplausos mais fortes para as músicas DJEMBÊ (faixa 8) e CHORO DE MULHER (faixa 10), dos craques Renato Martins e Roberto Didio. Conforme descreve inspirada parceria com Moacyr Luz, que bom que o SAMBA veio buscá-los. Seu labor melódico e poético é certeza de que ELE buscará outros tantos, felizes, aos prantos.

Vejam abaixo texto de Ricardo Brigante sobre o cd.

Por: Ricardo Brigante
Fonte:
http://sambadaouvidor.blogspot.com/2010/11/o-que-vai-ficar-pelo-salao.html

"Chega o primeiro disco de Gabriel Cavalcante: O que vai ficar pelo salão (independente), trabalho coletivo, reunindo o violonista Patrick Ângelo e os compositores Roberto Didio e Renato Martins. São responsáveis pelo impecável acompanhamento e concepção: Marcus Thadeu, Magno Souza e Ana Rabello.

Cantor de voz potente e timbre grave, Gabriel é uma das vozes principais de dois populares movimentos musicais no Rio de Janeiro: Samba do Trabalhador e Samba da Ouvidor. Com apenas 24 anos de idade, já acompanhou e dividiu o palco com importantes nomes da música brasileira, atua como profissional desde os 15.

Para os que discutem com sincera preocupação sobre a ausência de novas gerações compondo, tocando e cantando com personalidade, O que vai ficar pelo salão surpreende do começo ao fim. Além das interpretações e duetos, Gabriel apresenta uma vertente ainda desconhecida por muitos, a de compositor. Como "Elmo de São Jorge", melodia que surge fascinante no entoar maiúsculo e arrebatador de Gabriel, onde talento é lugar-comum.

O trabalho é coletivo de fato. E isso fica claro nos arranjos e batuques sacados em conjunto do baú de pautas preciosas. É possível ver o brilho individual de todos os envolvidos.

Afinal de contas, quem é capaz de desvendar os segredos melódicos de Renato Martins? Ao ouvir as entrelinhas dos acordes de "O Que é de Louça", os mais desatentos não perceberão que se trata de uma linda homenagem a Paulinho da Viola. Ou então em "Mar Maior", samba que aprisiona subitamente, interpretado por Cristina Buarque.

E as letras de Roberto Didio? Tão fortes e vivas, que são capazes de derrubar as lágrimas dos mais insensíveis dos homens. Como na delicada "Choro de Mulher", interpretada por Anabela ou ainda na visceral "Muralhas", onde Áurea Martins empresta todo seu lamento à canção.

Patrick Angelo no violão e Ana Rabello no cavaquinho nos levam de volta a caminhos há muito não visitados. Com o fascínio inicial vem comoção. As águas turvas do presente clareiam a cada nota. Ao fundo, Marcus Thadeu e Magno Souza dão o ritmo, formando uma ponte de esperança com o que ficou lá para trás. É quase real o som do sorriso dos tamborins e pandeiros. Felizes novamente.

Três declarações de amor ao samba figuram no repertório: "Quando o samba veio me buscar" (Moacyr Luz e Roberto Didio), "Na Cantoria" (Renato Martins e Roberto Didio) e "Seu Camafeu" (Gabriel Cavalcante e Roberto Didio) – que faz referência ao disco Berimbaus da Bahia (1968), do lendário Camafeu de Oxossi.

O "Velho Batuqueiro" é lembrado na faixa de mesmo nome, onde a linha de frente dos Arengueiros é honrada com a marcação no peso de Xangô. O velho cantava mesmo bonito.

Por fim, o trabalho de amigos é cantado na faixa que dá nome ao disco. Uma celebração à amizade, seja em guerras perdidas, seja na saudade do balcão.

Participações especiais: Moacyr Luz, Amelia Rabello, Cristina Buarque, Áurea Martins e Anabela".

Nenhum comentário: