quarta-feira, 2 de junho de 2010

FALHA DO S. PAULO demite Ademir da Guia e contrata Dunga em seu lugar

A Falha do S. Paulo, que apoiou na prática o regime militar brasileiro, dá um 'choque de gestão' (meu Deus, o que seria isso, que os executivos repletos de MBAs, inglêis e bônus tanto gostam?), aumenta as letras e as cores do formidável pasquim - dizendo que isso é "reforma gráfica" - e dá, digamos, uma "arejada" em seus colunistas. A principal substituição é a do economista Paulo Nogueira Batista Jr. por Antonio Pallocci. E como se você, caro leitor, trocasse Ademir da Guia por Dunga, ou Paulo Henrique Ganso por Julio Batista. Mas, convenhamos, o grande Paulo não poderia ficar em tão má companhia. Veja abaixo o belo e comovente texto de despedida do professor Nogueira publicado em 20 de maio no jornal da "ditabranda".

SILÊNCIO, SOLIDÃO
HOJE, ESTOU com ímpetos, leitor, de escrever um artigo altamente patético. Veja só o título que escolhi.
Na semana passada, lá estava eu, na trincheira como sempre, na minha vida espartana em Washington, lutando contra as forças do status quo no FMI. Refiro-me sobretudo aos europeus -não todos, há exceções honrosas, mas à grande maioria.
Se permitirmos, essa maioria europeia não só bloqueará as reformas do FMI e de outras instituições como ainda patrocinará reformas regressivas, verdadeiras contrarreformas.
É uma guerra de posições, como a do front ocidental na Primeira Guerra Mundial. Os Exércitos sangravam horrores para avançar alguns quilômetros. O mais belo livro a esse respeito foi escrito por um oficial alemão, Ernst Jünger, e carrega o título forte “Tempestades de Aço”.
Mas estou me perdendo do assunto. Aconteceu o seguinte: lá estava eu, na minha trincheira, sob bombardeio, quando veio o que se poderia descrever, com algum exagero (reconheço), como um “Dolchstoss im Rücken”, uma “punhalada nas costas” (já que falei em Primeira Guerra).
Telefona-me Raul Juste Lores, que não tive o prazer de conhecer, mas que vem a ser o novo editor do caderno Dinheiro, para informar, de chofre, que a minha coluna deixará de ser publicada pela Folha. Nada de “o gato subiu no telhado” etc. Foi uma execução sumária. Parece que vem aí uma nova turma de colunistas, feroz, antenadíssima com as novas tendências, pronta para escrever sobre temas de vanguarda como tecnologia, linguagem digital, entre outros.
Este é o meu último artigo na coluna. Ora, na minha coluna, os personagens não têm os nomes que têm por mera coincidência ou acaso. Se o novo editor do Dinheiro se chama Juste, isso indica certamente uma inapelável tendência ao equilíbrio e à justiça. Ele me disse com todas as letras (sem intenção de ferir): “A sua coluna é das mais longevas”.
Longeva! Senti-me imediatamente como uma múmia, pronta a ser encaminhada para o sarcófago mais próximo.
Fico agora reduzido ao silêncio nestas páginas. (Naturalmente, haverá quem considere que o silêncio veio tarde.) O meu isolamento, agravado pela residência no exterior, aumenta ainda mais. E, claro, as saudades do Brasil -a coluna era um meio de me manter em contato semanal com o país e o leitor brasileiro.
Agradeço à Folha pela liberdade que me deu para expressar meus pontos de vista durante cerca de 15 anos de colaboração regular. Também ao Jacques Constantino, ao Marcos Cézari e a outros que tanto me ajudaram a editar e corrigir os artigos, com grande paciência para as minhas revisões de última hora e para os artigos concluídos, às vezes, no apagar das luzes.
Não me esqueço, em especial, de um episódio. Nos anos 90, o Banco Central entrou com uma notificação judicial contra mim, alegando difamação e ofensas. Foi na época em que a instituição era presidida por certo Napoleão de hospício. A Folha colocou à minha disposição, sem que eu tivesse que gastar um tostão, um advogado especializado que me defendeu com muita competência. O Banco Central acabou desistindo do processo.
Por último, mas não menos importante, agradeço a atenção dos leitores que tantas vezes se manifestaram para apoiar, comentar ou discordar dos artigos. Aos que quiserem, posso informar, via e-mail, onde continuarei publicando artigos daqui para a frente.

PAULO NOGUEIRA BATISTA JR., economista e diretor-executivo pelo Brasil e mais oito países no Fundo Monetário Internacional

Nenhum comentário: